Sagrado Coração de Jesus

sexta-feira, 15 de junho de 2012
"O lado aberto de Cristo revela-nos a riqueza de seu amor infinito..."

 

Esta frase de João Paulo II é uma das frases que nos fala mais claramente sobre a espiritualidade do Sagrado Coração de Jesus. Ele expressa algo extraordinário quando diz que junto do Coração de Cristo o homem aprende a conhecer o sentido de sua vida.

Hoje, vivemos num mundo onde muitos buscam este “sentido” e poucos o encontram, porque têm procurado em lugares errados. Mais do que nunca essa espiritualidade é uma resposta, um RECADO de Deus ao mundo.

Vamos mergulhar um pouco na história dessa devoção?

Já no Antigo Testamento encontramos inúmeras passagens que se referem ao Coração de Deus, que se compadece dos homens (Gn 8,21; Os 11,8-9). Mas o culto reverencial ao Coração de Jesus teve início a partir do Novo Testamento. A sua raiz mais profunda e o seu fundamento nos é apresentado por São João (Jo 19,33-37).

Sem mencionar a palavra, João nos apresenta esse Coração aberto pela lança do soldado. Coração que se deixou transpassar por amor, por misericórdia. E você pode se perguntar: “que quer dizer “misericórdia?” Em um estudo mais aprofundado da palavra misericórdia, temos: “dar o coração ao miserável”.

Segundo o dicionário Aurélio, misericórdia pode ser entendida como compaixão suscitada pela miséria alheia; e só o miserável é digno de compaixão.

“O lado aberto de Cristo revela-nos a riqueza de seu amor infinito; amor misericordioso de um Coração voltado para cada um de nós.” (Santo Anselmo de Cantuária).

João Paulo II, na festa do Sagrado Coração de Jesus em 1979, disse na cidade de Roma: “É do Sagrado Coração de Jesus que emana, a cada ano, toda a vida da Igreja”. Esse Sumo Pontífice não se cansou de nos dizer que a espiritualidade do Coração de Jesus responde plenamente às expectativas de nosso tempo, e que a leitura do mundo atual deve passar pela misericórdia redentora do Coração de Jesus, símbolo do amor Trinitário a toda a humanidade.

A devoção ao Sagrado Coração de Jesus foi apresentada oficialmente ao mundo católico pelo Papa Leão XIII, em 25 de maio de 1899, como meio extraordinário de salvação para a humanidade. “A devoção ao meu Divino Coração é o último esforço de meu amor aos cristãos destes séculos derradeiros. Esta devoção, seriamente entendida, facilitará a salvação de todos, exercitando-os a se amarem mutuamente entre si, como eu os amei. Quero reinar por meu Divino Coração sobre a pobre humanidade destes tempos; e reinarei sem embargo da oposição de satanás e de todos os que ele instiga contra mim.” Etimologicamente, devoção deriva do latim “devovere”, que significa “consagrar à divindade”. Ser devoto, ser devotado significa ser “dado” a alguém por uma promessa irrevogável.

Estas são as principais práticas da devoção ao Sagrado Coração de Jesus:
  • Comunhão reparadora nas primeiras sextas-feiras de cada mês;
     
  • Comunhão freqüente: comungar quantas vezes puder;
     
  • Consagração: renovar periodicamente, lendo a fórmula e renovar-se interiormente;
     
  • Hora Santa;
     
  • Exposição e veneração da imagem do Sagrado Coração de Jesus.

(Fonte)